Notícias

Unifran abre vagas para tratamento em pacientes cardíacos


18
February 2009

esteiracoracao.jpgO setor de cardiologia da Clínica de Fisioterapia da Universidade de Franca oferece 20 vagas no programa de Reabilitação Cardiovascular. Segundo Cynthia Kallás Bachur, fisioterapeuta responsável pelo tratamento, o programa apresenta caráter preventivo de doenças cardíacas a partir do controle e redução dos fatores de risco e também de caráter curativo visando o restabelecimento das funções cardiovasculares, permitindo ao cardiopata executar atividade física compatível com a capacidade funcional do seu coração, com enfoque principal na recuperação, adaptação e manutenção do sistema cardiovascular.

O tratamento será composto de exercícios aeróbios em bicicleta ou esteira, com o indivíduo monitorado, com duração de 50 minutos de 3 a 4 vezes por semana e será oferecido no período da manhã.

Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, reabilitação cardiovascular “ é o processo que se inicia com o evento cardíaco e continua até que o paciente retorne a sua ótima condição clínica, fisiológica, psicológica, social e profissional estando implícita a prevenção secundária e manutenção da condição funcional adquirida”.

Os interessados vão passar por triagem e avaliação específica para posterior atendimento. A seleção será feita pelo telefone 3711 8720 – ligar no período da manhã e falar com Cynthia Bachur. Os 20 primeiros que estiverem dentro do perfil abaixo serão selecionados para o tratamento.

Perfil do candidato: pacientes com história de infarto do miocárdio ou pós operatório de cirurgia cardíaca com evolução não complicada sendo o diagnóstico fechado há menos que um ano e em acompanhamento médico; hipertenso controlado com medicação,  idade entre 40 e 60 anos.

Critérios de inclusão: pacientes assintomáticos em repouso (sem dor no peito), com capacidade adequada para realizarem atividades vocacionais e recreativas, em uso de medicação.

Critérios de exclusão: presença de doenças da tireóide, renais, cardiopatias graves, arritmias cardíacas, síndrome nefrótica, hepatopatias crônicas, doença neuromuscular degenerativa, doença arterial obstrutiva periférica, pacientes sem acompanhamento médico e sem uso de medicação.