Notícias

Questão de interesse


19
September 2007

diretorpor Angélica Volpe, aluna do 1º ano de jornalismo / Unifran

                                           
Vinícius Coutinho, diretor de comitê fala sobre o tópico “B”

O diretor do comitê de Desarmamento e Segurança Internacional (DISEC), Vinícius Gonçalves Coutinho conversou com a nossa equipe na tarde de segunda feira, véspera da abertura do terceiro UN-SP.

Durante o bate-papo explicou sobre o tópico “B” – sistema de cooperação de inteligência – que será discutido no evento. Segundo ele, o guia pretende saber como os países podem cooperar em si, gerenciando informações de segurança e defesa. Como prevenir conflitos.

Um quesito básico para que haja cooperação, é a confiança. Embora os países desenvolvidos não colaborem muito. “Isso envolve a questão de soberania dos Estados, às vezes uma informação que é essencial para ‘você’, não é essencial para o outro país”, explica o jovem Vinícius, apelidado “carioca”.

Os países subdesenvolvidos e/ou emergentes não têm dinheiro para criar um sistema de inteligência, a tecnologia é precária e carecem de “know-how”, como disse Vinícius. Sendo assim, os países que têm um sistema de inteligência forte não vêem interesse. “Tudo se move por interesses”, conclui.

O objetivo do guia dentro desse comitê é acabar com as barreiras. Como diminuir a desconfiança, como estimular a cooperação, interação, como os países podem interpelar isso. “Não é impossível chegar a uma ‘conclusão’, e já que não é impossível, estudaremos o que pode ser feito”, finalizou Coutinho.