Notícias

Precisa-se de Professores de Filosofia


30
July 2008

opensador.jpgTexto de autoria do professor Everton de Paula 

O Congresso Nacional aprovou, com sanção presidencial, no primeiro semestre, duas leis que incluem novas disciplinas nos currículos da educação básica: Filosofia, Sociologia e Música. Especialistas em educação comemoraram a inclusão que, pressupostamente, garante a crianças e adolescentes uma formação mais integral. Mas a novidade também coloca o dedo em uma antiga ferida da educação brasileira: a falta de professores para disciplinas específicas.

Em especial, a notada falta de docentes em Filosofia e Sociologia dá-se por conta dos anos de chumbo que vivemos de 1964 a 1984 no Brasil. Lembram-se? “É proibido pensar; é proibido criticar; é proibido desenvolver a consciência crítica!”
 Por outro lado, segundo Amanda Cleginski, da Agência Brasil, em texto consultado a 30.07.2008 em http://www.andifes.org.br/news.php, a falta de professores para disciplinas específicas como Filosofia, Sociologia, Física, Química e Música seria resultado da desvalorização da carreira do magistério.

De qualquer forma, o Congresso Nacional aprovou duas leis que incluem, já para 2009, no currículo da educação básica, essas disciplinas . Sucede que não há professores suficientes para atender a nova demanda. Aliás, o número de professores especializados nessas disciplinas precisa ser 20 vezes maior para se cumprir a lei.

Daí que, pelo menos no Estado de São Paulo, há uma Portaria do Conselho Estadual de Educação – nº 53/2005, aprovada em 14/12/2005, publicada no Diário Oficial do Estado em 16/12/2005, Seção I, página 48, cujo texto  especifica que estão aptos a lecionarem Filosofia os portadores de diploma de licenciatura em Pedagogia, Ciências Sociais, Sociologia e História, desde que apresentem no currículo do curso carga horária mínima de 160 horas de estudo na disciplina de Filosofia. Desconheço a legislação mineira, nossos vizinhos.

Desde a publicação em 2005 desta Portaria, venho organizando um elucidário de Filosofia, que resultou numa obra de consulta de mais de 300 páginas, envolvendo toda a história da filosofia ocidental (clássica, moderna e contemporânea), a filosofia oriental  (embrionárias, indiana, chinesa), a filosofia judaica, a árabe e a patrística. Exercitei algumas aulas, a título de experiência, tendo por base dois livros-texto: O mundo de Sofia, de Jostein Gaardner (história romanceada da filosofia) e Pequeno caderno de Sofia, de minha autoria, editado pela Edifran (elucidário de filosofia).
 Em lugar de se tratar de uma simples história da filosofia, por aulas cuja avaliação se resumiria no exercício de se verificar a capacidade de memorização do aluno, optei por tratar cada capítulo de O mundo de Sofia como um módulo de um possível curso, em que se discutiriam as questões levantadas. Por exemplo: – “Capítulo I – O jardim do Éden – Questões levantadas: 1. Quem é você? 2. De onde vem o mundo? Há vida após a morte? Alguma coisa pode ser eterna?” E continua no capítulo II : “O que é Filosofia? Os mitos. A visão mitológica do mundo.”

É claro que viriam os clássicos, Sócrates, Platão, Aristóteles, os modernos, os contemporâneos, mas não numa visão linear, histórica, puramente informativa… Todos os participantes, como numa mesa redonda, deram suas opiniões, seus “achares” pessoais em face das questões levantadas, até chegarmos a uma conclusão: não se aprende Filosofia; aprende-se a pensar filosoficamente.

Com essas duas obras em mãos, esse objetivo emanado da conclusão e um curso experimentado com sucesso, ocorreram todos os fatos expostos nos parágrafos anteriores.

Muito bem. A Universidade de Franca, em sua função formativa e social, acaba de lançar um Curso de Especialização em Filosofia –  pós-graduação lato sensu – 360 horas, destinado a professores de História, Sociologia, Pedagogia e Ciências Sociais que queiram lecionar Filosofia segundo os parâmetros legais. Isto sem contar com outro distinto público que me surpreendeu pelo número e interesse: os diletantes (que amam filosofia) e os pastores evangélicos portadores de nível superior.

Fui honrado com o convite para ministrar o curso. Serão 360 horas integralizadas com 290 horas presenciais e 70 horas a distância, ou seja, para meados de janeiro está programada a finalização das discussões de todo o programa, o que capacitaria o participante a se candidatar às aulas de Filosofia, uma vez ter ele obtido condições metodológicas e de conteúdo para tanto. Com expedição de certificado de conclusão de curso de Especialização, aprovação MEC.

Obviamente  o curso não se destina a professores já graduados em Filosofia, tampouco a especialistas da área. O curso visa a atender os contemplados pela Portaria CEE 53/2005 e demais interessados.

As inscrições podem ser feitas na secretaria de Pós-Graduação da universidade.

Mais informações: 0800.341212 – 0800.7099911