Notícias

Mestrado em Linguística da Unifran tem projeto de pesquisa aprovado pelo Observatório da Educação 2010


25
October 2010

capes250.jpgO projeto intitulado “Linguagens, Códigos e Tecnologias: práticas de ensino de leitura e de escrita na Educação Básica – Ensino Fundamental e Médio”, sob a Coordenação da Profª Drª Maria Regina Momesso, foi aprovado pelo programa Observatório da Educação 2010, que fomenta pesquisas científicas com interesse especial, em 2010, nos estudos sobre processos de alfabetização e de domínio da língua portuguesa e da matemática.

Das 76 propostas aprovadas (todas enviadas por instituições de ensino superior que mantêm programas de pós-graduação recomendados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES) a do Mestrado em Linguística da Unifran foi a 15ª proposta  colocada na relação dos resultados. Esse resultado vem mostrar o alcance da consolidação do Mestrado em Linguística da Unifran e como a pós-graduação stricto sensu pode contribuir, por meio dos resultados de suas pesquisas, também com o Ensino Básico.

O Observatório da Educação é fruto da parceria entre a Capes e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). As propostas de projetos de estudos foram apresentadas por núcleos de pesquisa formados por docentes coordenadores, estudantes de doutorado, mestrado e graduação e professores em efetivo exercício ou profissionais que exerçam a função de coordenador ou supervisor pedagógico na rede pública.

O projeto

O projeto aprovado, que envolve alunos e professores de graduação e de pós-graduação da UNIFRAN e professores da Rede Pública de Ensino e seus alunos, tem por objetivo, partindo de uma abordagem multidisciplinar, de áreas do conhecimento ligadas ao estudo das linguagens, dos códigos e das novas tecnologias, compreender, por um lado, o atual estatuto das práticas de leitura e escrita empreendidas no ambiente de sala de aula, e promover, por outro lado, a análise e produção de textos e discursos nos mais variados suportes e mídias. Para isso, serão estudadas as relações entre a educação, as práticas de ensino tanto tradicionais quanto inovadoras, e as realidades socioeconômica e cultural de alunos e professores do ensino básico, que, muitas vezes, encontram-se excluídos e estigmatizados por não terem acesso ou não estarem familiarizados com as novas tecnologias e seus suportes.

Serão beneficiadas com a aprovação do projeto, seis escolas (públicas e municipais), 04 delas do Estado de São Paulo, na cidade de Franca, e duas do Estado de Minas Gerais, uma escola municipal de São Sebastião do Paraíso e uma escola estadual de Nova Serrana.

Entre os itens financiáveis estão despesas de custeio no valor máximo de R$ 50 mil por núcleo ao ano, destinados à aquisição de material de consumo, inclusive materiais didáticos para alfabetização das crianças, jovens e adultos, passagens para atividades de estudos, pesquisas e docência, bem como para participação em eventos acadêmicos relacionados às atividades do projeto e diárias para colaboradores em atividades de pesquisa e docência relacionadas ao projeto.

Também está prevista uma verba para despesas de capital, até o limite de R$ 8 mil por núcleo por ano, para aquisição de coleções e materiais bibliográficos, equipamentos de processamento de dados e equipamentos para áudio, vídeo e foto.
Há ainda a concessão de bolsas mensais pagas diretamente aos beneficiários: 01 bolsa para o professor coordenador do núcleo (R$ 1,5 mil), 03 bolsas de mestrado (R$ 1,2 mil), 04 bolsas para docentes e profissionais da rede pública de ensino participantes do projeto (R$ 765) e 05 bolsas de Iniciação Científica para estudantes de graduação (R$ 400).