Notícias

Estudo avalia conhecimentos, atitudes e autocuidado de diabéticos


13
November 2015

O Diabetes também conhecido como Diabetes Mellitus é uma doença que se caracteriza pela elevação da glicose no sangue, chamada hiperglicemia. Dia 14 de novembro é comemorado o Dia Mundial do Diabetes, data criada em resposta às preocupações sobre os crescentes números de diagnósticos no mundo e segundo dados da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), o país possui mais de 12 milhões de diabéticos.

O PPG em Promoção de Saúde da Unifran, preocupado com esta crescente realidade, acaba de realizar um estudo para avaliar o conhecimento sobre a doença, como estes diabéticos a enfrentam do ponto de vista emocional e também se eles se cuidam, seguindo as orientações dos profissionais de saúde.

O levantamento realizado por sua aluna de Mestrado, Nilce Elaine X. M. Gonçalves, aponta que os pacientes ainda não possuem todos os conhecimentos necessários para o autocuidado. A maioria (70%) não sabe o que fazer quando a glicose está abaixo do normal. E metade dos entrevistados mostrou dificuldade de saber qual a dieta adequada para diabetes.

“O paciente tem dificuldade em entender que a quantidade de carboidrato que ele consome durante o dia pode interferir no controle da glicose”, explica a professora Helena Vassimon.

O estudo revela que 71,6% dos entrevistados apresentaram baixa prontidão para o enfrentamento da doença, caracterizados por problemas relacionados a aceitação emocional, repercussões nas expectativas referentes à vida e quanto ao modo de como o paciente percebe a doença.

Ainda foi possível observar um comportamento não desejável em relação à prática de atividade física, monitoramento diário da glicemia e cuidado com os pés. A professora afirma que para o diabético melhorar a sua qualidade de vida e saúde, e ainda evitar complicações com a doença, é muito importante que profissionais de locais que os atendam prestem a assistência para estas pessoas. É fundamental a capacitação, ou seja, não somente informar o que deve ser feito, mas explicar, fazendo com que eles entendam o porquê e a importância de todos os cuidados.

“É imprescindível que estes profissionais sejam treinados, para que possam passar as informações corretas do autocuidado para o paciente”, complementa.