Notícias

Basquetebol em cadeira de rodas recebe doação de 7 cadeiras profissionais


05
November 2008

P1260183_1.jpg

Veja fotos aqui 

Hoje (05/11), às 14 horas, no Centro Esportivo da Unifran, cadeirantes e responsáveis pelo projeto "Basquetebol em Cadeiras de Rodas" receberam doação de 7 cadeiras profissionais para a prática do esporte. As cadeiras foram doadas por empresas da cidade: Instituto Democrata; Calçados Mariner; WGA Propaganda; DiFiorena; Construmafer Construções. "Houve outras doações, mas as pessoas preferiram ficar no anonimato", revela Maria Georgina marques Tonello, professora de Educação Física da Unifran e responsável pelo projeto.

O projeto é inédito em Franca. São aulas de basquete oferecidas para portadores de necessidades especiais, especificamente para cadeirantes. A atividade começou a ser desenvolvida no início de abril e tinha 5 alunos. Um mês depois o número dobrou para 11 cadeirantes. Hoje são 20 alunos que participam do projeto "Basquetebol em Cadeira de Rodas".

As aulas são ministradas no Centro Esportivo na Unifran. Cinco estagiários da universidade auxiliam no projeto.

"Dou aulas na disciplina de ‘Educação Física Adaptada’ e já havíamos desenvolvido um projeto para crianças portadoras de necessidades especiais. A partir daí surgiu idéia de montar as aulas de basquete", contou a professora.

Outro ponto que foi definitivo na escolha desta modalidade esportiva foi o fato de Franca ser tradicional no basquete. "Franca é conhecida como a capital do basquete e apesar de todo esse envolvimento com o esporte ainda não possui um time de basquete em cadeira de rodas", justificou. Segundo Georgina alguns dos alunos que participam do projeto já tentaram praticar algum esporte, mas não conseguiram local para treinos nem apoio.

O projeto do Basquetebol é multidisciplinar. Além do curso de educação física, as disciplinas de Nutrição e Psicologia também são envolvidos no projeto. Inicialmente os atletas realizam avaliação física, funcional, nutricional e psicológica. Essa avaliação é feita periodicamente durante o projeto.

Itamar Miguel Gonçalves, 38 anos, é um dos participantes do projeto. Foi um dos cinco primeiros alunos a participar das aulas.

"Faço fisioterapia na Clínica da universidade e soube do projeto através da minha fisioterapeuta. Ele me aconselhou a fazer e resolvi entrar", contou. Um mês após o início dos treinos ele diz que valeu a pena. "Os treinos me deixaram muito mais disposto.

Até para fazer os exercícios de fisioterapia tenho muito mais facilidade, antes sentia muita dor. O fisioterapeuta já notou que adquiri mais equilíbrio", disse. "Franca, por ser uma cidade onde o basquete é tão popular já deveria ter um projeto desses", comentou.

Itamar não é o único a ver resultados positivos com as aulas. Ana Karolina Donzeli, 24 anos, concorda com ele. Formada em Educação Física ela sempre praticou esportes e faz parte da equipe de natação da Adef (Associação dos Deficientes Físicos de Franca). " Praticar esportes deve ser um hábito de qualquer pessoa. Temos muito mais disposição, sem contar que aumenta a auto estima. E no caso de nós que somos deficiente, é uma forma de sermos incluídos na sociedade", disse.

Foi apenas um mês de aulas, mas a professora já notou resultados positivos no grupo. "Tanto na procura quanto no desenvolvimento do grupo, o resultado está sendo muito melhor do que o esperado", disse. Ela conta que os alunos estão mais motivados e com a auto-estima mais alta. "Quando praticam esporte eles percebem que a vida deles pode ser normal, que podem trabalhar, namorar. Eles mesmos se surpreendem", acrescentou.

As aulas são gratuitas e acontecem às terças e sextas-feiras, das 13h30 às 14h30, no Centro Esportivo da Universidade. Quem tiver interesse em participar basta marcar uma avaliação na sala 406 do Centro Esportivo, agendando previamente com Georgina, pelo telefone 3711-8964.

Com os treinos em andamento Georgina e os alunos buscam patrocínio para comprar mais cadeiras de rodas apropriadas para o esporte adaptado. Cada uma delas custa em média R$ 1.250 . O grupo não tem recursos para essa aquisição e assim, busca apoio em empresas e indústrias de Franca, como as que fizeram a atual doação. Quem tiver interesse em apoiar o projeto pode entrar em contato pelo telefone 3711-8964.