Notícias

Alunas do Mestrado em Ciências têm seus projetos aprovados pela FAPESP


02
April 2013

Noticia250.jpgAs alunas Camila Maria Alves Ferreira, Gabriela de Paula Aguiar e Natália Helen Ferreira, da Universidade de Franca, tiveram seus projetos de Mestrado aprovados pela FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).
O projeto de pesquisa da aluna Camila é intitulado “Preparação e caracterização de filmes luminescente de óxidos misto de ítrio e alumínio via sol-gel” e é orientado pelo Prof. Dr. Eduardo José Nassar, do Grupo de Pesquisas Sol-gel da Universidade de Franca. 
De acordo com Camila, o projeto visa o avanço tecnológico na metodologia e desenvolvimento de filmes finos luminescentes, que têm apresentado uma infinidade de aplicações no cotidiano como os sensores, células solares, dispositivos fotovoltaicos, entre outros.
O projeto de pesquisa da aluna Gabriela é intitulado “Estudo da fragmentação de diterpenos do tipo labdano isolados do óleo-resina de Copaifera langsdorfii empregando espectrometria de massas sequencial” e é orientada pelo Prof. Dr. Vladimir Constantino Gomes Heleno, do Grupo de Pesquisa em Produtos Naturais da Universidade de Franca.
Segundo Gabriela, seu projeto tem como objetivos o isolamento de diterpenos do tipo labdano do óleo-resina de Copaifera langsdorfii e a realização de um estudo detalhado das vias de fragmentação de suas moléculas protonadas e/ou desprotonadas empregando espectrometria de massas sequencial (EM/EM).
O projeto da aluna Natália é intitulado “Avaliação da atividade antitumoral e de parâmetros toxicológicos da Cisplatina funcionalizada à nanopartículas de vanadato de ítrio” e é orientada pela Prof.ª Dr.ª Denise Crispim Tavares, do Grupo de pesquisas do laboratório de Mutagênese.
A pesquisa de Natália visa analisar o efeito antitumoral da administração local de cisplatina livre ou associada à nanopartículas de YVO4 por meio de avaliações do tamanho tumoral e da histopatologia do tumor; avaliar a possível toxicidade sistêmica induzida pelos tratamentos com cisplatina livre ou associada à nanopartículas de YVO4 por meio de análises histopatológicas de rins, cérebro e fígado; e investigar a extensão de danos ao DNA nos hepatócitos dos animais tratados com cisplatina livre ou associada à nanopartículas de YVO4 pelo ensaio cometa.